Cartão-postal  #1 | 2019

3 caixas confeccionadas em madeira crua contendo, em cada uma delas, uma impressão fotográfica colorida sobre papel backlight e luz de led | 13cm x 11,5 x 2,5cm [cada peça].

___

CARTÃO POSTAL é um trabalho que começou a partir da minha reflexão sobre o deslocamento do meu corpo por um território conhecido e percorrido por mim centenas de vezes ao longo da vida (as rodovias Bandeirantes e Anhanguera no trecho entre as cidades de São Paulo e Jundiaí), e do acúmulo dos recibos de pedágio, documentos que atestam a passagem deste corpo (meu) por uma determinada fronteira ou limite dentro de um automóvel. Os recibos entregues aos motoristas neste trecho mencionado possuem, em um de seus versos, imagens de pessoas que desapareceram dentro deste território, dentro deste mapa. Estas imagens possuem um ar fantasmático, pois ou são muito antigas, não correspondendo mais à realidade, ou são projeções realizadas por computadores que tentam reconstituir rostos de pessoas que desapareceram há 10, 15 anos ou mais. No outro lado do recibo, dados do veículo, local,  hora da travessia e valor da tarifa.

 

Apesar de todo aparato humano estabelecido neste ponto do mapa através da implantação de um pedágio e da geração de documentos - recibos que endossam esta tentativa de controle do movimento destes  corpos- rostos de estranhos, com seus nomes e idades referentes aos anos em que desapareceram, estampam semanalmente os recibos por mim coletados, perdidos talvez para sempre em algum ponto do território. A contradição em retirar estas imagens ao pagar uma tarifa para seguir em frente em um caminho certo, estabelecido, somada à sensação de estranhamento presente nesta coleta que se transformou em acumulação, são pontos chaves para a constituição deste trabalho. O cruzamento destes dados (da minha trajetória com dados de quem se perdeu), possível ao colocar o fino papel no contraluz, cria o encontro entre o controle humano de dados (impresso de maneira efêmera em um dos versos) e o descontrole inerente à vida, a incerteza, pautada aqui também por um cenário de muita violência.

___

Série em desenvolvimento.