Ninho 2021-2022

Linha de chilena usada, coletada na rua, mensagem de biscoito da sorte e caixa de madeira |  30 x 45 x 5cm

[Trabalho em processo]

___

30 de Dezembro de 2021

Há vento na casa

As coisas todas

Se movimentam

Um corpo cheio

Subitamente virou

Ar

...

Precisei me mudar recentemente. De supetão.
Um ninho de Corruíras pousou no parapeito da minha janela.
E eu, do grande ninho, acolhi.
Por algum tempo os ninhos conviveram.
Até que o ninho de fora cultivou uma praga que invadiu minha casa. As janelas viraram armadilhas. Por dentro, iniciou-se uma revolução. Um ninho me expulsou de casa.
Minha casa tornou-se inabitável.
Minha casa-ninho-toca extravasou anos de excessos, transpirando pelas frestas, negando-se a ser mais meu lar.
*
Na mudança, entre caixas, reencontrei um bolo de linha usada de cerol achada na rua, encardida porém ainda cortante.
Eu vi o ninho.
O ninho do qual fui expulsa.
O ninho que me expulsou.
Os ninhos. O de dentro e o de fora.
Vazios, áridos.
Havia guardado estas linhas para tecer.
Mas não posso mais.
*
Mexendo nas caixas, um papel de um biscoito da sorte caiu no chão. Com o ninho ainda na mão, peguei o papel e li “a mudança deve sempre corresponder a uma necessidade real.”
E lá estava eu, entre as caixas.
Sorri.
Não sei por qual motivo guardei aquela frase, mas fiquei feliz por ter feito isso.